30 de agosto de 2010

"ESCRITORES DA LIBERDADE" (Filme)

Sinopse:
Hilary Swank, duaz vezes premiada com o Oscar, atua nessa instigante história, envolvendo adolescentes criados no meio de tiroteios e agressividade, e a professora que oferece o que eles mais precisam: uma voz própria. Quando vai parar numa escola corrompida pela violência e tensão racial, a professora Erin Gruwell combate um sistema deficiente, lutando para que a sala de aula faça a diferença na vida dos estudantes. Agora, contando suas próprias histórias, e ouvindo as dos outros, uma turma de adolescentes supostamente indomáveis vai descobrir o poder da tolerância, recuperar suas vidas desfeitas e mudar seu mundo. Com eletrizantes performances de um elenco de astros, incluindo Scott Glenn (Dia de Treinamento), Imelda Stauton (Harry Potter e a Ordem da Fênix) e Patrick Dempsey (Grey's Anatomy), ganhador do Globo de Ouro. Escritores da Liberdade é basedo no aclamado best-seller O Diário dos Escritores da Liberdade.

Comentário pessoal: Logo nas primeiras cenas do filme, a Professora Gruwell (Hilary Swank) já conquista minha admiração quando diz que: "Pensou em cursar direito para defender jovens no tribunal, mas logo desistiu, pois acreditava que a batalha está perdida quando tiver que defender jovens nos tribunais, visto que a luta pela libertação deve acontecer na escola, na sala de aula."
A partir deste momento, desta frase de efeito, o filme que seria apenas um momento de descontração torna-se uma lição de determinação e perseverança, uma identificação com o roteiro, um modelo a ser seguido.
Este filme é essencial para aqueles que acreditam na ressocialização e aceitação dos diferentes, que acreditam que o trabalho do docente deve ir além do livro didático e da sala de aula, pois é como Paulo Freire diz em Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa: "O reconhecimento da identidade cultural, o respeito é absolutamente fundamental na prática educativa. Um simples gesto do professor representa muito na vida de um aluno. O que pode ser considerado um gesto insignificante pode valer como força formadora para o desenvolvimento intelectual e acadêmico do educando. "
Todos sabemos das dificuldades que encontramos quando saímos do convencional aplicado em sala de aula, da falta de apoio, da zombação dos companheiros, do preço alto que pagamos perante a família e sociedade de um modo geral, mas vejo uma recompensa de grande valia: A paz comigo mesmo.
Pois é, com certeza vale à pena assistir este filme... Deixo aqui a dica.

Winderson Marques

Google+ Followers