10 de julho de 2010

NOS BRAÇOS DE SOPHIA

Metafísicos versos em famoso bordão: “Ser ou não ser, eis a questão” Shakespearianas rosas nas cores de poesia Floridas rimas nos bosques da filosofia. Despertar para o pensar, o mundo de Sophia Brasas de amor e amizade faíscam sabedoria O processo da semente fecunda humanização A aventura a ser vivida projeta educação. Olhos de coruja, um viajante, um pensante Asas e garras, instigante, homem amante Em seu voo nos ares do existencialismo A brisa que o conduz à trilha do realismo. Ventos que permite criar, projetar, sonhar Viagem de mistérios, livres para voar Exala conhecimento, orquestra pensamento Ilumina trevas, aquece vidas, é descobrimento. O inquietante espinho do que é realidade Sangra no espírito a busca pela verdade Valores, crenças, a leitura de vivência Sociedade alternativa abre mão de inocência. Educadores do tempo é dinheiro persuadem ilusão Mídias desvairadas geram má-formação Refletir e fugir do vírus dominante Construir o crítico é ter novo semblante. Relâmpagos no pensamento, nada ser imutável Diferir-se do comum, do trovão estável Não querer calar, jovem esclarecimento A busca de respostas rejuvenesce entendimento. Sentimentos puros aos olhos de Tales Afasta a comodidade, cosmologia sem males Em Mileto, cidade turca, o nascimento Do fruto seguro, fonte de conhecimento. Micênicos em Grécia, cultura dominante Idade do bronze, civilização atuante Dóricos guerreiros invadem a região Êxodo, fuga, na bagagem tradição. Influências orientais, homens racionais Fatores sócio-político-econômico-culturais O fim do domínio dórico, a reconstrução A praça pública, a retórica, uma nova paixão. Política, pólis, governo do esforço coletivo Democracia, cidade-estado, mito evolutivo Não há sereias, criaturas, adeus a mitologia A representação na comédia, arte, dramaturgia. A arquitetura, o calendário, clássica beleza A invenção da moeda, próspera riqueza Vida urbana, renascimento comercial A arte da palavra, o convívio social Raios de sol, dia-a-dia de princípio original Dos pré-socráticos ao atual, ser racional A busca pela razão, ética, princípios, essência Ser ou não ser, há de não ser aparência. Na alma de poeta transborda filosofia Na boca de filósofo versos em poesia O romance de amor e harmonia Nos braços da eterna mãe Sophia.
Winderson Marques

Google+ Followers